Mercado

Anip orienta não usar pneus reformados em motocicletas

Anip orienta não usar pneus reformados em motocicletas

A resolução 158/2004 do Contram (Conselho Nacional de Trânsito) proíbe o uso de pneus reformados nestes veículos.

 

Já a portaria 554/2014, do Inmetro proíbe o serviço de reforma de pneus.

De olho naqueles que não se conformam com a ilegalidade do uso de pneus reformados em motos, a Anip - Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos explica os motivos para não dar chance para a prática.

A reforma do pneu consiste em raspar a carcaça de uma peça usada e adicionar nela uma nova banda de rodagem de borracha. Pode parecer seguro em um primeiro momento, mas, segundo a Associação, tal reforma não é capaz de reproduzir a curvatura e dimensões originais projetadas nos componentes externos do pneu (banda de rodagem, ombros e flancos).

Isso pode resultar em menos estabilidade nas curvas, necessidade de maior distância de frenagem e formação de rugas e bolhas na borracha. Ou seja, pode ocasionar um acidente fatal.

Se você estiver se perguntando porque afinal caminhões e ônibus podem, vale lembrar que o pneu desses veículos é diferente do pneu da motocicleta. Aquele, por ter de aguentar cargas, tem sua estrutura reforçada, enquanto o da moto é mais leve, projetados para atender características de segurança, conforto e dirigibilidade. Portanto, suporta apenas uma vida.

A resolução 158/2004 do Contram (Conselho Nacional de Trânsito) proíbe o uso de pneus reformados. Já a portaria 554/2014, do Inmetro proíbe o serviço de reforma de pneus.

Além disso, usar pneu reformado em motocicleta é considerada infração grave (art.230, inciso X da lei 9503/97). O condutor pode ser punido com cinco pontos na carteira e ter que pagar R$195,23 de multa.

 

Leia também: Bridgestone ativa patrocínio à Libertadores de uma maneira diferente

Leia também: Continental lança pneu para autocarros elétricos

 

Fonte: Primeira Página, com informações do site O Vale.

 

Redes Sociais