PROTOCOLO DE SEGURANÇA SANITÁRIA. Conheça as medidas da Francal Feiras para a retomada do setor.

Press release

Pequenas e médias empresas enfrentam o desafio da transformação digital

Metade delas, segundo Senai, não têm iniciativas sólidas para incorporar tecnologias às suas operações. Com novo programa, instituição quer mudar esse cenário

A transformação digital é indispensável para a elevação da competitividade. É esse o entendimento que levou o Senai-SP a lançar um programa voltado exclusivamente para esse fim. Com a parceria do Sebrae-SP e da Fiesp, a intenção é atender 40 mil micros, pequenas e médias empresas (PMEs), e ajudá-las a adaptar seus processos e produtos conforme os princípios da Indústria 4.0.

“Se a gente quiser, de fato, aumentar a competitividade da economia do estado, precisamos olhar com especial atenção às PMEs”, afirmou Arthur Vinícius Dias, supervisor de projetos e tecnologia do Senai-SP, nesta quinta-feira (23), durante palestra na EXPOBOR e PNEUSHOW. “Elas representam 92% das empresas do parque industrial paulista e são as que mais geram empregos”.

Números obtidos pela instituição apontam que mais de 50% das PMEs industriais de São Paulo não têm iniciativas de transformação digital – ou, no máximo, são incipientes. Como principais obstáculos, mencionam desconhecimento de ferramentas, escassez de recursos ou dificuldades para encontrar profissionais capacitados.

Esses problemas afetam, claro, as PMEs, mas de uma forma ou outra também impactam as grandes corporações. “Elas têm uma extensa cadeia de valor, com centenas de elos. Para as grandes ganharem produtividade, sua cadeia, formada por pequenas, também precisa se desenvolver”.

O programa do Senai, gratuito, é composto por consultorias e treinamentos, parte do diagnóstico e da estratégia, passa pela otimização de processos e chega à automação, digitalização e integração. Companhias com faturamento de até R$ 8 milhões anuais podem contratá-lo. Mais informações no site: https://jornadadigital.sp.senai.br/.

Empresas de reforma de pneus focam na automatização de processos e na sustentabilidade das operações

O segmento de reforma de pneus teve espaço privilegiado na tarde de terça, 22, na programação de conteúdo da EXPOBOR e da PNEUSHOW. Duas das principais empresas do ramo, Lukatec e Marangoni Tread, participaram de painel para abordar, em especial, inovações em máquinas e equipamentos, bem como tendências de marketing e sustentabilidade.

Diretor de operações da Lukatec, Eduardo Engbrecht enfatizou em sua fala a crescente automatização dos processos e, o que é mais recente, o conceito modular que as empresas têm incorporado. “Nossos produtos de raspagem de pneus, por exemplo, podem ser incrementados de forma prática e rápida. Uma companhia, caso precise ampliar sua operação, pode comprar uma nova máquina da mesma linha e simplesmente acoplá-la ao conjunto”, disse.

Já Fabiano Santos, gerente de produto e assistência técnica da Marangoni Tread, além de sublinhar também a automatização do setor – em linha com a Indústria 4.0 – centrou sua apresentação na economia circular. “Nossa empresa tem como foco e objetivo o desperdício zero”, afirmou.

Essa abordagem envolve, claro, a reconstrução de pneus que ainda podem ser aproveitados. Já aqueles inservíveis, ou seja, cuja vida útil se esgotou, têm suas matérias primas reaproveitadas. O aço, por exemplo, volta à indústria e a borracha gera energia elétrica.

Pesquisa busca eliminar os riscos de alergia ao látex

Cerca de 9,7% dos profissionais de saúde no Brasil apresentam reações alérgicas aos produtos de látex natural,  entre eles as luvas cirúrgicas, assim como 7,2% dos pacientes e 4,3% da população total do país, de acordo com a publicação científica Journal of Occupational Health. Um problema que não tinha solução e que estimulou o químico Floriano Pastore Júnior a desenvolver pesquisa, em seu curso de doutorado pela Universidade de Brasília (UNB), apresentada no 19º Congresso Brasileiro da Tecnologia da Borracha, que ocorre durante a EXPOBOR e PNEUSHOW, no Expo Center Norte.

O trabalho denominado “Tratamento do látex de borracha natural com tanino vegetal” mostrou que é possível neutralizar as proteínas que provocam reações alérgicas, segundo Pastore. “O tanino, produto encontrado nos vinhos, já é usado há muito tempo no tratamento do couro para neutralizar as proteínas e tornar as peles mais macias para o uso”, disse o pesquisador. “Então pensei que poderia usar o mesmo produto para neutralizar os alergênicos do látex”.

Na mesma pesquisa, Pastore também passou a investigar a preservação do látex de borracha contra a degradação biológica e coagulação espontânea, em substituição ao uso da amônia, que é usada há centenas de anos. “Além do problema de degradar o produto, a amônia também é tóxica e tem um odor muito forte. O nosso estudo mostra  ainda que, além de evitar esses problemas, o tratamento que estudamos evita perdas importantes no processamento do látex”, afirma.

Pastore lembrou que o látex é um meio biológico muito rico, com mais de 200 tipos de proteínas diferentes. “No entanto, 13 delas são alergênicas e podem fazer mal à saúde. Quando se trata, por exemplo, de usar o cateter em posição de contato muito próximo da mucosa, se a pessoa for alérgica pode ter um choque anafilático e vir a óbito”, explicou o professor

Ao longo de quatro anos de pesquisa, a equipe de Pastore implementou sete Planos Experimentais (PE), uma experiência piloto industrial com 20 litros de látex e três análises contratadas em laboratórios de terceiros, dentre outras atividades. “Todo este trabalho resultou em conjunto coerente de resultados que permitem concluir que a preservação de látex de borracha natural tratado com tanino e isento de amônia foi conseguida com sucesso e com forte probabilidade de uso na produção no campo e na indústria”.

Práticas do ESG ganham tração nas empresas

As práticas do ESG – Environmental, Social and Governance hoje constam como a terceira preocupação nos mercados norte-americano, europeu e asiático, atrás apenas do retorno financeiro e de questões político-econômicas. Já no Brasil cada vez mais o acesso a financiamento envolve a exigência de práticas de sustentabilidade nas empresas. O alerta foi feito pela gerente do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da FIESP, Anícia Pio, na palestra “O ESG e a cadeia produtiva” na Arena de Eventos, que ocorre durante a  EXPOBOR e PNEUSHOW.

Embora tenha ganhado força nos últimos anos, o ESG, conceito  que reúne as políticas de meio-ambiente, responsabilidade social e governança, começou a ser elaborado na ONU em 1983,  com a criação da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento – CMMAD, segundo Anícia.  Mas o termo  foi cunhado apenas em 2004 em uma publicação do Pacto Global em parceria com o Banco Mundial, chamada Who Cares Wins. “E em 2015, com a Agenda 2030, a ONU propôs aos seus países membros uma nova agenda de desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos, composta pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas, para erradicar a pobreza e promover vida digna para todos, dentro dos limites do planeta. Estava criada a base para a exigência do ESG”.

Mas essa prática não se restringe às corporações, pois envolve pessoas e meio-ambiente, segundo a especialista. “O ESG é uma jornada de transformação dos negócios e envolve a construção de uma empresa inclusiva, ética e ambientalmente sustentável, que garanta a qualidade de vida para todos”, lembra.

Por esses motivos, segundo Anícia, o ESG também tem um impacto para as companhias e investidores. O conceito não é apenas uma estrutura que as instituições financeiras e investidores devem relatar. “Ele precisa estar no radar de gestores, funcionários, reguladores e todos os envolvidos no ecossistema”.

A gerente do Departamento de Desenvolvimento Sustentável FIESP destaca ainda que o setor financeiro também está de olho na sustentabilidade. “Há uma exigência da prática do ESG para que sejam liberados financiamentos, ou seja, sem ações previstas pelo sistema não tem dinheiro”, concluiu.

Soluções para melhorar rendimento, reduzir custos e ganhar eficiência

A Gebor trouxe para a PNEUSHOW sua linha Serras Rot, ferramenta ideal para a raspagem de pneus com novo padrão de qualidade para aumentar o rendimento e reduzir o custo. Além disso, com o intuito de atender a demanda dos clientes mais exigentes, a empresa apresenta algumas opções de peças importadas, como conjunto de serras, engates com retenção e válvulas.

No estande da Cabot, na EXPOBOR, o visitante encontra o lançamento global da empresa o E2C, compósito de elastômero desenvolvido para aplicações de borracha industrial. Com uma boa receptividade de mercado e público, o produto é exclusivo no Brasil e diferente do compósito natural de negro de fumo que a empresa comercializa. Oferece níveis superiores de dispersão de enchimento e, além de prolongar a vida útil do produto, ajuda a reduzir  matéria-prima e energia consumida durante o processo de fabricação.

Já a Basile Química, que atua no setor de produtos químicos para artefatos de borracha, trouxe um mostruário especial de masters de aceleradores. São dois formatos – os paletizados e em pastilhas, que diferenciam a marca das concorrentes. A flexibilidade do produto permite uma melhor aplicação à linha de fabricação.

A Nitriflex, por sua vez, comemora 50 anos de fundação durante a EXPOBOR. Para esta edição, a empresa colocou em foco os látex nitrílicos para aplicação em luvas cirúrgicas. Eles oferecem boa resistência ao rasgo e à abrasão, sem perder a flexibilidade e a baixa densidade do composto.

Protocolo de Segurança Sanitária

De acordo com o Decreto Municipal de São Paulo nº 61.307, de 13/05/2022, a apresentação de comprovante vacinal não é mais necessária, mas todos os participantes serão submetidos à aferição de temperatura para acesso ao evento. Pessoas que apresentarem temperatura corporal acima de 37,5 graus deverão comprovar teste negativo para Covid-19. O teste PCR poderá ser feito na hora, pago pelo visitante. A organização disponibilizará álcool em gel e reforçará a higienização das áreas comuns, além de recomendar o uso de máscaras e o distanciamento social.

Expobor e Pneushow 2022

Data: 22 a 24 de junho

Horário: 13h às 20h

Local: Expo Center Norte (Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo – SP)

Informações: (11) 2226-3100 e atendimento@francal.com.br

O credenciamento para os profissionais do setor pode ser feito gratuitamente por este link

Acompanhe as novidades do evento no site e nas redes sociais:

www.expobor.com.br

Instagram | Facebook | Youtube | LinkedIn

Sobre a Francal Feiras

Promotora de eventos com capital 100% nacional, a Francal Feiras é um dos principais players do mercado de feiras de negócios e contribui não só para o desenvolvimento econômico e social dos diferentes setores em que atua por meio dos 12 eventos de seu portfólio, como também movimenta efetivamente a economia dos locais onde eles são realizados.

Movida pela mesma velocidade que afeta a sociedade de consumo e o ambiente de negócios, a Francal Feiras oferece ao mercado entregas inovadoras por meio de eventos que servem como uma importante plataforma de negócios, experiências, conexão e conhecimento para toda a cadeia produtiva. Com mais de cinco décadas de atuação, é referência no Brasil e reconhecida no exterior.

Informações para Imprensa:
2PRÓ Comunicação
Marcela Lage | Myrian Vallone | Teresa Silva
email equipe: imprensa@francal.com.br
www.2pro.com.br

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência.